Friluftsliv: a vida ao ar livre.

De tempos em tempos surgem conceitos que de algum modo tentam sintetizar tendências presentes em nossa dinâmica sociocultural. Neste espaço, por exemplo: tratamos da F.O.M.O, doomscrolling, Hygee, entre outros. Segundo alguns, Friluftsliv (que significa, “vida ao ar livre” – incluindo aqui, todas as atividades que permitem entrar em contato com a natureza) teria se transformado … Ler mais

Plogging: a corrida sustentável.

Organizada inicialmente em 2017 pelo ambientalista sueco Erik Ahlstrom, a prática junta duas atitudes bastante saudáveis: correr e recolher dejetos que foram deixados para trás na natureza. A expressão (Plogging) é uma junção do jogging (modalidade de corrida mais tranquila do que em geral são as competitivas) + plocka up, “recolher” ou “pegar” em sueco. … Ler mais

Pensamento em movimento – I

Já foi apontada por muitos a relação entre o ato de andar e a reflexão, ou simplesmente, pensar. Escolas filosóficas, pesquisas neurológicas ou a simples observação prática mesmo, muitas vezes indiretamente embutidas em frases do tipo: “Ando pensando em…” ou em certa oposição, “Vou parar pra pensar”. Mas, na maioria das vezes a afirmação é … Ler mais

Rompendo Barreiras: revendo hábitos para um mundo melhor.

O documentário Rompendo Barreiras ( no original, Breaking Boundaries: The science of your planet) aborda, de modo bastante fundamentado e claro, a necessidade de se dar atenção aos problemas do planeta, em particular os relacionados a Agenda 2030 do Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris. Lançado em 2021, dirigido por Jon Clay e com … Ler mais

Cultura e hábitos.

…Quem tem consciência para ter coragem Quem tem a força de saber que existe E no centro da própria engrenagem Inventa contra a mola que resiste…* Esse conjunto de crenças, costumes, comportamentos etc., compartilhados socialmente em grupos maiores ou menores que a gente chama de Cultura, não é um depósito onde estas coisas se acumulam … Ler mais

Selfie I: o que estamos projetando?

Ao que tudo indica, a produção de autorretratos virou prática bastante corriqueira e presente em nossas vidas. Se digo “virou” é porque, apesar de ser uma das primeiras modalidades da fotografia (derivada de prática já presente na Pintura), até há algum tempo não era algo tão onipresente. Quer dizer, o ato de fotografar a si … Ler mais

A arte do deslocamento IV – A jornada do herói

Como já dito anteriormente, o deslocamento físico, de um ponto “a” para um ponto “b”, a que denominamos genericamente de viagem, pode ser visto também como uma forma de nos deslocarmos internamente de nossos eixos costumeiros. Nosso cérebro tende a automatizar e mandar para um segundo plano as tarefas rotineiras e atividades habituais. De fato, … Ler mais

Ler, para entender e mudar.

A humanidade, como um todo, atravessa um momento crucial em relação a manutenção do planeta como um lugar saudavelmente habitável. Poucos são os que ainda acreditam que, na tocada em que estamos, deixaremos um lugar melhor para as gerações posteriores. São muitos os que concordam que, caso não haja uma mudança profunda em nosso modo … Ler mais

Felicidade – II

Palavras podem ser descritas como signos sonoros ou visuais, criados para representarmos uma ideia, por exemplo, e comunicá-la a outrem. Neste processo – traduzir uma ideia, mesmo que vaga ou abstrata, em signo – ocorrem perdas inevitáveis. São perdas necessárias ao processo de comunicação pois, de outro modo, este seria, por vezes inviável. Ora, imagine … Ler mais

A arte do deslocamento III – Na natureza selvagem.

Obviamente, não podemos afirmar que toda escolha “radical” é inteligente. De modo geral, afirma-se justamente o contrário: as escolhas mais ponderadas, nascidas da temperança, costumam ser as mais sintonizadas com um modo razoável de pensar. Faz sentido, em parte e às vezes. Quer dizer, a opção feita por muitos que adotaram em suas vidas o … Ler mais

A arte do deslocamento II: filosofia sobre 2 rodas

Alguns livros entram em nossas rotas de modo bastante peculiar. Todos aqueles que são amigos destes seres de papel (ou bits) sabem do que falo. Neste caso, movido por um mergulho feito há décadas, em busca de compreensão sobre a arte do Zen, acabei levando pra casa o que acreditava ser um manual bastante específico … Ler mais

A arte do deslocamento I: O pensamento nômade de Michel Onfray

Um dos resultados subjetivos da criação e posterior popularização do que chamamos de Internet é uma espécie de “encolhimento do mundo”. Me refiro ao acesso, via imagens, de locais dos quais muitas vezes sequer ouvimos falar. De modo que, ao menos no modo virtual da realidade, o mundo já não parece um lugar tão imenso … Ler mais

Felicidade – I

Acredito que poucas pessoas, ao serem questionadas sobre quais seriam seus principais desejos ou sonhos, não incluiriam em suas respostas a “felicidade”. Resposta um tanto genérica, se começarmos a pensar sobre o assunto de modo um pouco mais detido. Embora o termo (felicidade) seja bastante abstrato, passamos grande parte de nosso tempo, concretamente, pensando ou … Ler mais

Hapiness e a “corrida de ratos”

Ratos correm em direção a uma multidão deles mesmos, aguardando amontoados a chegada de um trem de metrô, enquanto “Habanera” (uma das partes que compõem a Ópera Carmen, do compositor francês, George Bizet) toca ao fundo. Assim começa a curta (pouco mais de 4 minutos), porém contundente, animação criada por Steve Cutts, “Hapiness”, de 2007. … Ler mais

Decisões demais…

Conforme já afirmamos anteriormente aqui neste espaço, o advento da “informatização do mundo” está sendo um dos maiores e mais transformadores saltos que o ser humano já deu em sua história. Encurtamento de distâncias, ubiquidade (capacidade de estar em diversos lugares ao mesmo tempo) virtual, agilização de transações, praticidades diversas, etc. A lista de inovações … Ler mais

Creio que estou certo, logo estou certo.

“Nossas crenças não repousam pacificamente em nossos cérebros esperando serem confirmadas ou negadas pela informação que recebemos. Pelo contrário, elas agem ativamente modificando a forma como vemos o mundo”. Richard Wiseman Já falamos anteriormente sobre a necessidade de nos mantermos informados sobre os acontecimentos a nossa volta, criada por nossa demanda legítima por segurança. É … Ler mais

Doomscrolling: más notícias demais.

doomscrolling

É bastante provável imaginar que num futuro não muito distante a época em que vivemos será vista como revolucionária, assim como foram as chamadas “Revoluções Industriais”. Algo como “Revolução Digital ou Informacional”. Claro, o que chamamos de “revolução” na verdade representa apenas o ápice de longos processos de mudanças tecnológicas, que acabam por causar impactos … Ler mais

Ma: o espaço cheio de significado.

espaço Ma

Já falamos aqui e em outros momentos sobre a dificuldade em traduzir termos típicos de outras culturas ou línguas para a nossa (que, em si, já é bem heterogênea). Também já tentamos apontar algumas diferenças entre o tipo de pensamento que nos acostumamos a chamar de “oriental” daquele que identificamos como “ocidental”. É uma separação … Ler mais

Hygge: ou a arte do sossego.

hygge

Tendo a pensar que tudo aquilo que acaba por circular com certa frequência e intensidade no meio ao qual nos referimos como “sociocultural”, quer dizer, aquilo que de certo modo “entra na moda”, (nas conversas, nos programas diários de TV, etc.) acaba por representar anseios profundos em relação ao momento em que vivemos. Quero dizer: … Ler mais

Nunca entramos no mesmo rio

rio de heráclito

Também conhecido como “o obscuro” ou “o enigmático”, Heráclito de Éfeso (por volta de 540 a 475 a.C.), é o responsável por um dos trechos mais emblemáticos (ao lado do “Só sei que nada sei”, frase atribuída a Sócrates) da história da Filosofia ocidental: “Ninguém pode entrar duas vezes no mesmo rio, pois quando nele … Ler mais